[Resenha] O Zahir – Paulo Coelho

Essa é a capa maravilhosa deste livro. Então, com o globo quis demonstrar a volta pelo conhecimento e as viagens que o personagem realiza durante o livro e as pedras representação a naturalidade e simplicidade que são comentadas durante o livro.

Essa é a capa maravilhosa deste livro. Então, com o globo quis demonstrar a volta pelo conhecimento e as viagens que o personagem realiza durante o livro e as pedras representação a naturalidade e simplicidade que são comentadas durante o livro.

Título: O Zahir

Ano: 2005

Páginas: 316

Editora: Rocco

Oi gente, tudo bem com vocês? Hoje, trago mais uma resenha de um livro em que estava guardadinho na minha estante, fiquei principalmente ansiosa e curiosa para ler, depois dos comentários que vi em outros blogs e sites sobre o livro “O Zahir”. Fiquei apavorada com o que o livro me ensinou e contarei detalhadamente agora.
O Zahir é um livro que me causou bastante entusiasmo para realizar a leitura, principalmente porque no livro o autor, Paulo Coelho, demonstra a relação que sua vida pessoal tem em comum com o personagem que foi escrito. Ao decorrer da leitura, você irá se perguntar, porque está acontecendo isso? Porque isto influencia na minha vida? O livro traz uma grande influência para o nosso cotidiano, em relação das ações que temos as outras pessoas que vivem conosco ou que encontramos na rua, mesmo sem conhecê-las e não tendo nenhum laço de amizade ou familiar. O livro demonstra que devemos ter a vontade de conhecer o próximo, de querer fazer o bem, lhe proporcionando ajuda.
Mas, este livro demorei em média 3 dias para ler, em relação de todo o amadurecimento que ele propôs em cada capitulo lido, o personagem se dizia ser “Um homem livre”, mas quando Esther o deixou, é como se o chão tivesse desmoronado e não tivesse onde pisar e nem saber em qual direção seguir sem a pessoa que se ama ao seu lado. É como se a liberdade já estivesse durante seu casamento, mas foi o perder que o tornou tão desprezível e preocupante aos olhos do personagem. Então, ele se encontra em um estado crítico, no qual não sabe para onde seguir e o que fazer adiante, é o momento de conhecer seu interior, seu verdadeiro “eu”, é quando ele decide acreditar em outras pessoas que comentam sobre o dinheiro não ser a base de tudo, mas sim a confiança, o amor próprio e muitas vezes a solidão.
A solidão aquela no qual o ser humano precisa ter para se encontrar e se conhecer melhor, para então poder tomar a iniciativa de transbordar amor para outras pessoas, para quem sabe futuramente um novo relacionamento, uma vida a dois.

“Quando eu não tive nada a perder, eu recebi tudo. Quando deixei de ser quem era, encontrei a mim mesmo. Quando conheci a humilhação e mesmo assim continuei caminhando, entendi que era livre para escolher meu destino. Não sei se estou doente, se meu casamento foi um sonho que não consegui compreender enquanto durou. Sei que posso viver sem ela, mas gostaria de encontrá-la de novo – para dizer o que nunca disse enquanto estávamos juntos: eu te amo mais do que a mim mesmo. Se eu puder dizer isso, então poderei seguir adiante, em paz – porque este amor me redimiu”
Pág. 86

“Portanto, para tornar a vê-la, eu precisava que meu rosto estivesse tão limpo como o seu. Antes de encontrar-me com ela, eu devia encontrar-me comigo.”
Pág. 171

O livro em si, é uma ótima leitura para fazer, me ensinou bastante coisas novas, pensamentos diversos que demoraria a ter se não o tivesse livro. Super recomendo esse livro, principalmente para que gostam de ler com calma, paciência e muita vontade de se desenvolver, o livro requer um ambiente silencioso para lê-lo para que possa refletir e argumentar consigo mesmo as decisões e perguntas que temos frequentemente.

Sobre o autor:
Paulo Coelho nasceu em 1947, no Rio de Janeiro. Já vendeu vários livros, mais ou menos 65 milhões no qual seus livros já foram traduzidos para 56 idiomas em mais de 150 países. O seu primeiro livro lançado foi “O Alquimista” que trouxe maior repercussão para sua vida, o tornando conhecido entre os leitores e outras pessoas, lançado no ano de 1988. Em 30 países esse livro já foi implantando como leitura em escolas.
Não vejo a hora de ter a oportunidade de ler “O Alquimista” ficará na minha lista de compras de livros.

Essa é a abertura do livro, muito linda a letra ilustrada e desenhada dessa maneira!

Essa é a abertura do livro, muito linda a letra ilustrada e desenhada dessa maneira!

Todo o livro possui essa letra, mas a cada início de capítulo a letra inicial é diferente e super linda

Todo o livro possui essa letra, mas a cada início de capítulo a letra inicial é diferente e super linda

O autor Paulo Coelho viajou para o lugar em que o livro foi inspirado,nas estepes do Casaquistão em 2004.

O autor Paulo Coelho viajou para o lugar em que o livro foi inspirado,nas estepes do Cazaquistão em 2004.

Espero de verdade que vocês tenham gostado dessa resenha, e mais virão pela frente. Se quiserem deixar alguma opinião sobre a resenha, ou indicação de um livro é só escrever nos comentários.

 

Comentários

comentários

Nas categorias: Livros

Tags: , , , , , ,

2 comentários

Alessandra Tapias

Olá!!!

OMG!! Que blog lindo!!!! Amei!!! Obrigada pelo convite ♥

Mesmo com todos falando mal, mesmo com todos torcendo o nariz para os livros do Paulo Coelho, eu não tenho vergonha de dizer que gosto muito dele!

Ainda não li este livro, mas pela resenha, tenho certeza que vou gostar muito!!

Bjkssssss

Lelê

Reply
Morgana Brunner

Oii, fiquei muito feliz que tenha gostado da resenha!Vou te contar hein, várias pessoas falam mal dele para mim, mas tive coragem para ler e me surpreendi, estou pensando até em comprar os outros dele!
Muito obrigada pelo comentário flor <3

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado